Diversos

Em Americana-SP, SISEM desmente prefeito Marcos Trad sobre a readequação da carga horária dos ACS e ACE

Em visita ao município paulista de Americana, distante 901 km de Campo Grande, no último dia 25 de setembro, o presidente do SISEM, Marcos Tabosa foi conhecer de perto o projeto que o Executivo Municipal, comandado pelo prefeito  Omar Najar, do PMDB, pratica em favor dos ACS e ACE readequando sua carga horária, proporcionando muitos benefícios para a população e para os servidores, sem prejuízo aos cofres públicos, derrubando a tese do prefeito Marcos Trad (PSD) para não conceder este benefício em Campo Grande.

Recebido com grande entusiasmo pelo presidente do sindicato dos servidores municipais daquela cidade, Antônio Fortes, Tabosa ouviu dele e de alguns ACS os benefícios proporcionados a todos pela conquista da categoria, obtido pelo esforço e unidade dos ACS e ACE que souberam com sabedoria e determinação convencer o Executivo Municipal da importância de trabalhar com uma carga horária readequada para ser mais produtiva e eficiente.

A iniciativa teve apoio do vereador Davi Ramos (PCdoB), eleito pelos servidores, que após realizar estudos e verificar a eficiência de um trabalhador satisfeito e realizado na sua missão de adentrar nas casas das pessoas e atendê-las em suas necessidades, apresentou o projeto na Câmara Municipal, obtendo o aval dos demais pares e do próprio prefeito, onde o projeto previa 06 (seis) horas em campo e 02 (duas) para relatórios em lugar definido pelo servidor.  A partir daí, os resultados positivos foram aparecendo e todos ficaram satisfeitos. “Os estudos que realizamos apontavam que seis horas eram suficientes para os ACS e ACE realizarem seu trabalho diário e que as duas horas eram perdidas, pois não se produzia nada e só causavam estafa e cansaço no servidor, com o projeto melhorou substancialmente a qualidade de vida desses servidores. O administrador que não entende isso, tem mente de lambari”, afirma Davi Ramos.

Na Prefeitura de Americana, Tabosa foi recebido pelo secretário de governo Junior Barros, onde teve informações consistentes de como o projeto de readequação de carga horária dos ACS e ACE foi bom para o município. Segundo o secretário, quem ganhou com o projeto foi a população, pois o atendimento passou a ser mais eficiente; as metas foram ampliadas e os atestados médicos simplesmente acabaram, tudo isso sem perder nenhum centavo dos repasses federais.

O secretário de governo Junior Barros afirmou que bastou vontade política do Executivo para implantar o projeto de readequação da carga horária no município, afinal não causou nenhum prejuízo, muito pelo contrário, pois os resultados ficaram acima do preconizado pelo Ministério da Saúde de 40 horas semanais e, portanto não havia motivo para não se implantar esta lei que valoriza o servidor, melhora o atendimento a população e a qualidade de vida da categoria, sem causar prejuízo aos cofres públicos. “Quero agradecer os companheiros Davi Ramos, Paulo Sérgio da Silva (Paulinho) presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Americana e Região e seu diretor Saia, o secretário de governo Junior Barros, Antônio Fortes, presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Americana, a Agente comunitária de Saúde Kelly Feitosa, sem esquecer o apoio do grande companheiro defensor dos ACS e ACE, Samuel Camêlo, coordenador geral da MNAS (Mobilização Nacional dos Agentes de Saude). Com esta viagem provamos que é possível trazer o projeto de Americana para Campo Grande e contamos não só com o apoio da Câmara de Vereadores, mas também do prefeito Marcos Trad, que em campanha prometeu que faria de tudo para melhorar a qualidade de vida dos agentes”, finalizou Tabosa.

30 HORAS NA EDUCAÇÃO E CEINFS DO MUNICÍPIO: UM SONHO REALIZADO PELO SISEM

O dia 11 de maio de 2017, quinta-feira, foi um dia histórico para os servidores Administrativos da Educação e Ceinfs de Campo Grande:  o sonho de ter uma carga horária de 6 horas foi, finalmente, realizado pelo SISEM com a votação e aprovação unânime pelos vereadores na Câmara Municipal.

O ano era 2010, quando o novo presidente do SISEM, Marcos Tabosa, servidor concursado na Educação ao iniciar seu mandato, sonhou com uma carga horária de 6 horas para o pessoal Administrativo da Educação e Ceinfs como ferramenta de motivação para uma melhor prestação do serviço para a sociedade; maior qualidade de vida para si e sua família; diminuição do custo para o erário público sem perder a qualidade do serviço, dentre outros inúmeros benefícios para a municipalidade no setor da educação.

Com este sonho no coração, Marcos Tabosa criou o slogan “30 horas na educação”, estampando em inúmeros materiais gráficos, entre camisetas, panfletos, jornais, faixas, cartazes etc , iniciando uma jornada que foi concluída nesta quinta-feira, dia 11, quando a Câmara Municipal aprovou a lei que institui as 30 horas para os Administrativos da Educação e Ceinfs. Foram 7 anos tentando convencer o próprio servidor da educação que era possível conquistar este e outros sonhos para a categoria. “Podem tirar tudo em nossa vida, menos nossos sonhos”, disse Tabosa ao discursar na tribuna da Câmara Municipal.

Tabosa lembrou ainda que quando iniciou esta campanha e visitava as escolas disseminando a ideia na categoria, muitos não acreditaram ser possível, fazendo chacota e piadinhas de que era um sonho maluco, mas hoje reconhecem que sonhos servem para serem realizados. Outras ideias como e efetivação do profuncionário e bolsa alimentação também se realizaram como propostas na sua gestão. “Avançamos muito como categoria organizada, mas os sonhos não acabaram, precisamos continuar concretizamos outros sonhos”, disse ao enumerar outros projetos para a categoria como a incorporação ao salário do profuncionário; da bolsa alimentação; da insalubridade e o mais esperado, que é o tão sonhado Plano de Cargos e Carreiras no serviço público municipal de Campo Grande.

O SISEM, representado pelo Presidente MARCOS TABOSA e o Tesoureiro Geral OSCAR MENDES, se reuniu na manhã desta terça-feira, dia 26.04, pela quinta vez, com o Prefeito NELSON TRAD FILHO e o VICE-PREFEITO EDIL ALBUQUERQUE para dar prosseguimento às negociações visando o reajuste salarial dos servidores públicos municipais, em atendimento à data-base da categoria que é o mês de maio. Na ocasião, o Prefeito usou da palavra dando por aberta a mesa de negociações, alegando que os técnicos do setor de receita da Prefeitura, nestes dias de feriado prolongado, se debruçaram sobre os dados atinentes à arrecadação do tesouro municipal, fazendo a simulação de vários índices para a folha de pagamento, chegando-se a um consenso quanto a não ser possível aumentar além dos 6.09% o índice já contraproposto ao vencimento-base da referência 14, tendo em vista, que o supracitado índice é indexador do adicional de produtividade das demais categorias funcionais. Informou ainda que quanto ao abono salarial, a contraproposta era de um reajuste de 15%, avançando em 0,5%, em relação à contraproposta inicial que era de 10%. Referindo-se às referências 01 a 13, disse o senhor Prefeito que  a contraproposta era no sentido que fosse concedido um reajuste linear de 7%, também avançando em relação à proposta inicial que era de 6.10%. Também usou da palavra o Secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle Paulo Nahas dando explicações técnicas e contábeis sobre o comportamento da receita municipal, consoante o Balanço Geral Consolidado, publicado no DIOGRANDE, no dia 29 do mês findo. Em seguida, o Presidente do SISEM, Marcos Tabosa usou da palavra, salientando que realmente a contraproposta do Executivo havia avançado um pouco mais, tanto para os servidores de nível 1 a 13, quanto para os servidores de nível 14, porém, encontrava-se respaldado pelas assembléias extraordinárias realizadas com ambas as categorias, para negociar um índice mais aceitável. Informou que os trabalhadores da referência 1 a 13 concederam ao SISEM autonomia para negociar um reajuste entre 7% a 10%, porém gostaria que o Executivo melhorasse o índice proposto para a supracitada categoria de, no mínimo, para 8%. Na oportunidade apresentou documento elaborado pelo Tesoureiro Geral e Consultor Técnico do SISEM Oscar Mendes, contra-argumentando alguns dados que dizem respeito à Receita Corrente Líquida, cuja verba orçamentária é utilizada para honrar a Folha de Pagamento dos Servidores Municipais, alegando que há uma folga de caixa para a concessão de um reajuste salarial melhor para todos os servidores, sem ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, já que atualmente somente 40,38% da RRC estão comprometidas com a verba de pessoal, quando a LRF permite até 54%. Quanto aos trabalhadores pertencentes à referência 14, Tabosa informou que havia recebido da assembléia geral extraordinária da categoria realizada no último dia 19 (terça-feira), a incumbência de negociar um reajuste acima dos índices inflacionários para a supracitada referência, e reajuste entre 15% e 25% no Abono Salarial, conforme preconizado no ofício nº 125/Rest/2011, protocolado pelo SISEM no Gabinete do Prefeito Municipal. Depois das contra-argumentações do Presidente do SISEM, o Prefeito Nelson Trad Filho suspendeu a reunião, solicitando que os diretores do sindicato se dirigissem para a sala ao lado, enquanto o Secretário Municipal de Finanças e sua equipe técnica analisariam a viabilidade da contraproposta apresentada em termos de impacto na folha de pagamento. Após quase duas horas de espera foram retomadas as negociações, tendo o Prefeito informado que a contraproposta que iria apresentar, se aproximava muito da contraproposta do SISEM, e que, infelizmente, a Prefeitura não poderia avançar mais, sob pena de colocar em risco, projetos essenciais ao desenvolvimento de Campo Grande e várias ações voltadas para a área social. Em seguida, informou que a contraproposta era a seguinte: 1) 7.5% linear para os níveis 1 a 13; 2) 6.09% para a Referência 14, mais abono salarial de R$ 466,58, para R$ 559,89. Declarou o senhor Prefeito, que em atendimento a acordo firmado com o SISEM no mês de março, a PRODUTIVIDADE SUS será aumentada para 10%, beneficiando os Agentes Comunitários de Saúde Pública, Agentes de Endemias e Agentes de Saúde Pública. Disse que o índice proposto para as referências 1 a 13 representava um percentual de l.41% acima da inflação acumulada nos últimos doze meses, e 0.64% acima do índice de reajuste do salário mínimo. Finalizando ressaltou que a Prefeitura Municipal desta Capital é uma das poucas que concederá um reajuste acima de 7% para os servidores, fato que demonstra a preocupação do Executivo, em recuperar gradativamente as perdas salariais da categoria. Em seguida usou da palavra Marcos Tabosa, alegando que a proposta não era de todo a reivindicada pelo SISEM e pelos servidores municipais, mas que não poderia deixar de reconhecer o avanço alcançado em relação às contrapropostas anteriores do Executivo, motivo pelo qual aceitava a contraproposta apresentada. Diante das palavras do Presidente do SISEM, o senhor Prefeito declarou convalidada e aprovada a contraproposta apresentada,   dando por encerrada a audiência.

Servidores da referência 14 autorizam SISEM negociar reajuste salarial

Os servidores de nível superior pertencentes à referência 14 do Quadro de Pessoal Efetivo da Prefeitura Municipal reuniram-se em Assembléia Geral Extraordinária no último dia 19 (Terça-Feira) para tomar conhecimento da contraproposta do Executivo acerca do reajuste de salários, atinente a data-base da categoria. Na ocasião, o Presidente Marcos Tabosa informou que o Prefeito Municipal se reuniu com o SISEM no dia 18 de abril (segunda-feira) apresentando contraproposta à proposta apresentada pela categoria, via SISEM, através do Of. nº 122/Rest/2011, de 15.04.2011, consistindo, em síntese, no percentual de 12% à referência 14, mais o abono da referência 16.

Na oportunidade o Presidente do SISEM informou que o Executivo contrapropôs o índice de 6.09 na referência e o mesmo índice de reajuste no abono salarial. Disse Tabosa que o Prefeito alegou haver impossibilidade de um índice de reajuste maior no vencimento-base da categoria, tendo em vista que a referência 14 é o padrão de vencimento escolhido como indexador dos adicionais de produtividade das demais categorias funcionais da Prefeitura, fato que provocaria um impacto muito elevado na folha de pagamento.

Salientou Tabosa que demonstrou o seu descontentamento pela contraproposta apresentada, solicitando que o Executivo, juntamente com o Dr. Paulo Nahas – Secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle reestudassem uma contraproposta que redundasse em melhores salários para a categoria e sinalizasse o início da recuperação das perdas salariais ocorridas nos últimos anos.

Relatou que diante da contra-argumentação feita, o Prefeito suspendeu a reunião e solicitou que a Diretoria retornasse às 10:00 horas do dia (19.04) para dar continuidade à negociação. Informou que a Diretoria do SISEM ao retornar à mesa de negociações, recebeu do Executivo uma nova contraproposta que avançou um pouco mais em relação ao índice de reajuste a ser concedido ao abono salarial, saltando de 6.09%, índice da proposta original, para 10% de reajuste, mantendo o índice quanto à referência, no mesmo patamar de 6.09%, pelos motivos antes mencionados.

Após fazer esse relato sobre o andamento das negociações, Tabosa passou a palavra para o Tesoureiro Geral e Consultor Técnico do SISEM – Oscar Mendes, que fez uma breve explanação sobre o comportamento da receita municipal em relação aos reajustes dos vencimentos dos servidores ocorridos nos últimos anos que foram muito baixos, comprovando uma política de enorme arrocho salarial. Alegou que apesar do Executivo haver avançado pouco na última contraproposta, acreditava na boa vontade do Prefeito Nelson Trad Filho em relação aos servidores da referência 14, nestas negociações, cuja sinalização deveria ser utilizada pelo SISEM, para se chegar a um índice satisfatório.

Na oportunidade, propôs à Assembléia Geral que delegasse ao SISEM a missão de negociar um abono salarial entre 15% e 25% para a categoria, já que o Executivo se encontrava irredutível quanto ao aumento do índice de 6.09% oferecido para o vencimento base da citada referência. Em discussão, alguns servidores se manifestaram a respeito da proposta, no sentido de que o SISEM não deveria abandonar a luta pelo aumento do índice da referência 14, em percentual acima dos índices inflacionários dos últimos doze meses. Ajustada a proposta do Tesoureiro Geral do SISEM à sugestão dos servidores, a ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA decidiu, por mais de 2/3 dos servidores presentes, delegar ao SISEM a missão de negociar com o Prefeito Municipal o reajuste salarial da categoria dentro dos seguintes parâmetros: 1. Lutar por um vencimento-base, com índice superior ao da inflação registrada pelo INPCA-E, nos últimos doze meses. 2. Abono salarial com índice entre 15% e 25%.

Dado o exposto, comunicamos aos servidores de nível superior vinculados à referência 14, que o Executivo nesta data (20.04) tomou conhecimento da nova contraproposta da categoria, estando a Diretoria do SISEM aguardando uma audiência com o Prefeito Nelson Trad Filho, no mais tardar na próxima terça (26.04) para decisão final a respeito.

Para finalizar, desejamos a todos um feriado venturoso e feliz páscoa, e que todos nós, revigorados pela fé em Cristo, retornemos ao trabalho, unidos e otimistas.

A Diretoria Executiva

Prefeito Gilmar Olarte homologa as 30 horas semanais no Serviço Social da Capital

O prefeito Gilmar Olarte assinou na noite de ontem, dia 26, no  plenário da Câmara Municipal, a Lei Municipal que concede a carga horária de 30 horas semanais para os servidores da categoria dos Assistentes Sociais,  sem a redução salarial. “É um sonho da categoria que neste momento estamos tendo coragem de avançar, coroando de pleno o esforço dos servidores, do SISEM (Sindicato dos Funcionários e Servidores de Campo Grande), do próprio CRESS (Conselho Regional de Serviço Social – 21ª Região), com a imprescindível participação do vereador Paulo Siufi  autor do projeto e co-autoria do vereador Carlão, que juntos trabalhamos para poder conceder este direito que já tinha sido garantido com Lei Federal e está assegurado com essa homologação municipal”, disse o prefeito durante a cerimônia de assinatura.

Para o presidente do SISEM, Marcos Tabosa é mais um grande benefício conquistado para os servidores municipais dentro da campanha salarial deste ano, onde os avanços em favor dos trabalhadores foram significativos e histórico e marca um período de luta e avanços no serviço público municipal de Campo Grande. “Onde tem trabalho com transparência e poder político de articulação, existe vitórias para os representados”, disse Tabosa, que no ato também compôs a mesa de autoridade, juntamente com os vereadores Paulo Siufi, Carlão, Chiquinho Teles, Chocolate, os secretários municipais: da Saúde, Jamal Salem e Janete Belini, da secretaria de Políticas, Ações Sociais e Cidadania, o presidente do CRESS, Valdereis Freitas de Souza, além do prefeito Gilmar Olarte e a primeira dama Andréia e ainda do presidente do PSD, Antonio João Hugo Rodrigues e representantes das entidades de classe ligadas ao Serviço Social.

A lei 5.333 de junho de 2014 homologada pelo prefeito Gilmar Olarte altera a Lei 5.307 de março de 2014 reduzindo a jornada de trabalho de 40 horas para 30 horas semanais. As seis horas diárias já é garantido pela Lei Federal 12.317/10, que alterou em 2010, o artigo 5º da Lei de Regulamentação Profissional (Lei 8.662/93). Em Campo Grande, o Projeto que se tornou Lei municipal, de autoria do vereador Paulo Siufi e co-autoria do vereador Carlão, reitera a carga horária de trabalho de 30 horas semanais.

A homologação e regulamentação da Lei Municipal que referenda a Lei Federal era esperada há bastante tempo pela categoria que considera uma vitória e um momento importante para os profissionais. O prefeito destacou que a jornada semanal de 30 horas é o reconhecimento de que essa categoria não só é muito importante, mas também precisa cumprir a produtividade em uma carga horária melhor. “O estresse que os profissionais sofrem todos os dias justifica a necessidade de ter essa diferenciação em suas ações”, afirmou o prefeito que foi aplaudido de pé pelos profissionais.
O vereador, Paulo Siufi destacou que o cumprimento dessa Lei, que já é federal, em esfera municipal, garante a dignidade dessa classe que considera tão importante para a saúde da população. “Esse é um momento histórico e resultado de uma grande luta para os que trabalham na assistência social”, declarou Siufi, destacando que o secretário Jamal Salem já prepara as equipes do Programa da Saúde da Família (PSF) para adequar às 6 horas diárias. O vereador Carlão relembrou o movimento comunitário e a importância dos assistentes sociais nesse contexto destacando que “esses profissionais merecem todo o nosso respeito”, completou.
Já prevendo a homologação, a secretária municipal de Políticas, Ações Sociais e Cidadania, Janete Belini já adaptou suas equipes de assistentes sociais às 6 horas. “Fizemos um reordenamento prévio dos serviços oferecidos pela SAS e o quadro está formado para atender às demandas de forma que não existirá brecha no atendimento e será mantida a qualidade no atendimento à população”, disse Janete reiterando um grande avanço da redução da jornada para o bem-estar do profissional.

De acordo com Conselho Regional de Serviço Social (CRESS) 21ª Região, Mato Grosso do Sul possui cerca de 3.500 profissionais ativos e em Campo Grande, aproximadamente 1.240 inscritos no Conselho, que atuam em órgãos públicos, empresas privadas e Organizações não Governamentais. A homologação, segundo o presidente do  Valdereis Freitas de Souza vai viabilizar a luta de um longo caminho percorrido pela categoria.
Valdereis Freitas destacou que está sendo materializado um projeto ético-profissional que dará qualidade de vida ao profissional do Serviço Social e vai provocar alterações no cotidiano profissional e familiar. “Trabalhamos submetidos a longas e cansativas jornadas de trabalho e realizamos atividades que provocam estado de profundo estresse diante de situações que envolvem violência, fome, miséria e sofrimentos”, pontuou, destacando que a Lei abrange a todos os profissionais da Assistência Social, independente da atividade do cargo que ocupam.

A presidente do Conselho Municipal de Assistência Social, Suely Gomes complementou que há muito tempo era solicitada essa homologação. “Em 100 dias do prefeito Gilmar Olarte conseguimos vencer essa luta graças à sensibilidade do prefeito. Não esperávamos que fosse homologada tão rápido neste ano”, ressaltou.
Para a assistente social Daniela Duarte, que trabalha no Programa de Saúde da Família a nova carga horária vai mudar a rotina de vida dela. Vou ter tempo para cuidar da minha saúde, do meu bem-estar também. À Frente do Movimento Mãe Águia que atua na prevenção e atendimento às crianças e adolescentes que tiveram seus direitos violados, Daniela pretende dar mais atenção à instituição onde está presente há 12 anos.

CAMPANHA SALARIAL 2014 – Sisem conquista reajuste de 8%, cartão alimentação e jornada de trabalho menor

O SISEM – Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande – conseguiu, nesta campanha salarial, encerrada hoje, quarta-feira, dia 30, para os servidores das referências 1 a 13, conquistar um dos grandes sonhos de algumas categorias, como os administrativos da educação lotados em unidades escolares e Ceinfs (Centros de Educação Infantil), que é a redução da carga horária para 30 horas semanais, além de garantir a volta da forma antiga para o pagamento do Profuncionário com reajuste de 30% sobre o salário base, além do aumento linear de 8%.

O pedido inicial do sindicato era um reajuste linear de 25%, mas as pretensões esbarraram na situação econômica da prefeitura, que precisa aumentar a arrecadação em R$ 312 milhões para equilibrar as finanças. “O aumento será de 8%. Quase 2% a mais do que a reposição da inflação, que é de 6,25%”, afirmou o prefeito Gilmar Olarte (PP), num discurso pontuado por palavras como fé e coragem.

Para compensar o repasse de um índice menor do que o pretendido, o Sisem avançou em outros itens que vão melhorar a remuneração do servidor. “Contando com os benefícios, a redução da carga horária e o reajuste de 8% algumas categorias ultrapassam os 30%”, afirmou o presidente do Sisem, Marcos Tabosa. Somando o reajuste linear mais os benefícios, os agentes comunitários de saúde terão aumento superior a 35%; os administrativos em Educação, 30%; e os técnicos de enfermagem, 12%.

Além do aumento de 8% para os servidores de referência de 1 a 13, também foi criado o Cartão Alimentação para algumas categorias que será administrado pelo SISEM com anuência do Executivo. Para os servidores do administrativo da Educação o valor do benefício será de R$ 120; os agentes comunitários de saúde terão cartão no valor de R$ 140, assim como os técnicos e auxiliares de enfermagem. Os guardas municipais que tinham o Brasil Card – outra categoria de cartão alimentação – e que foi cancelado pelo ex-prefeito Alcides Bernal (PP), agora voltarão a receber o benefício no valor de R$ 100.

Os servidores do administrativo da educação ainda terão redução da carga horária para 30 horas semanais, bem como os agentes comunitários de saúde. No entanto, os servidores desta categoria terão que garantir a meta de 10 visitas diárias. Estes servidores ainda terão reajuste de 10% na produtividade SUS e garantido para o ano que vem  o pagamento de uma parcela extra do repasse federal referente ao Programa Saúde da Família, divido em quatro parcelas iguais de R$ 260,00, iniciando-se no primeiro semestre de 2015.  “Este era um anseio antigo dessas categorias, cujos índices mostram melhora na qualidade de vida e na prestação do serviço à população e ainda uma substancial diminuição de servidores doentes que apresentavam atestado médico”, pontuou Tabosa. A nova carga horária valerá a partir do dia 1º de junho.

Marcos Tabosa disse que as negociações para outras categorias vão continuar neste feriado. “Acredito que fechamos tudo neste fim de semana”, disse. Ainda restam as categorias de servidores de nível superior. “Vou aguardar o prefeito me ligar”, completou.

Revoltados pelo corte do cartão Brasil Card, servidores organizam protesto diante da Prefeitura

O SISEM – Sindicato dos Servidores Municipais, atendendo ao apelo de milhares de servidores municipais insatisfeitos com a postura autoritária e irresponsável do Executivo Municipal, que além de não cumprir as promessas de campanha, ainda vem sistematicamente cortando benefícios adquiridos anteriormente, está convocando a categoria – associada ou não ao sindicato – para uma grande mobilização, nesta quinta-feira, 21, das 11h20 às 12h diante da Prefeitura Municipal.

O corte do Cartão Brasil Card, sem ao menos avisar, pegou todos de surpresa e criou um sentimento de revolta pela forma irresponsável como o prefeito Alcides Bernal (PP) vem tratando os servidores municipais, constrangendo e colocando os trabalhadores em situação bastante delicada, principalmente para adquirir remédios e alimentos, entre outros bens que estavam disponíveis no comércio pelo Cartão Brasil Card, que além de não cobrar juros, era considerado um adiantamento salarial que ajudava em muito o cotidiano de mais de 4.500 servidores municipais.

Sem querer discutir o mérito do direito do Executivo em manter o Brasil Card ou substituir por outro cartão, o que realmente revolta foi a forma como o servidor foi informado do fim do benefício – somente na hora em que foi adquirir um bem ou serviço – quando teve o constrangimento de sido negado e avisado que o cartão não iria atender mais, porque a Prefeitura Municipal não renovou o contrato e não havia possibilidade de ser atendido.

Diante desta postura intransigente do prefeito Alcides Bernal, não restou alternativa para o Sisem – legítimo representante dos servidores municipais – convocar a categoria e cobrar do prefeito uma imediata solução do problema, exigindo que renove o contrato com a Brasil Card ou que apresente uma solução o mais rápido possível, pois o servidor já está acostumado com este benefício e a sua suspensão, especialmente quando estamos chegando no final do ano com festas natalinas e férias, traria grandes prejuízos e causaria uma grande tristeza para muitas famílias de servidores municipais.

A mobilização diante da prefeitura nesta quinta-feira, dia 21, das 11h20 às 12h será pacífica, mas deixará claro ao chefe do Executivo Municipal que não pode continuar tratando o servidor com indiferença como se ele não existisse e não tivesse problemas ou família, vamos exigir uma posição imediata do prefeito para continuar trabalhando com tranquilidade pelo desenvolvimento de Campo Grande.

Você servidor que está se sentindo prejudicado e quer este benefício de volta, não deixe de participar desta mobilização! Venha lutar por seus direitos e reafirmar ao Executivo que sua intenção é colaborar com a sua gestão, mas com respeito e responsabilidade com os seus interesses, afinal em seu slogan de campanha, o prefeito alardeava que “as pessoas em primeiro lugar”, mas até agora os servidores tem sido seriamente prejudicados pelo comportamento autoritário e irresponsável do prefeito municipal.

ASSEMBLEIA GERAL – Discussão da proposta de reajuste salarial ano 2013 – Referência 14 a 16

MARCOS TABOSA, Presidente do Sindicato dos Servidores e Funcionários Municipais de Campo Grande – MS, usando das atribuições do cargo estabelecidas no estatuto social, CONVOCA os servidores efetivos e filiados, da referência 14 e 16 para uma Assembléia Geral Extraordinária que será realizada na sede do SISEM, localizado na Rua Otaviano de Souza nº. 58 – Bairro Monte Líbano, em Campo Grande/MS, no próximo dia 15.03.2013 (sexta-feira), às 18h30min em 1ª Convocação, e às 19h, em 2ª Convocação. A presente Assembléia Geral Extraordinária poderá ser encaminhada e deliberada observando o quórum estatutário, ou seja, a Assembléia instalar-se-á e funcionará, em primeira convocação, com a presença de 2/3 (dois terços) dos associados e, em segunda e última convocação, com qualquer número de associados presentes, a fim de deliberarem sobre o único assunto da ordem do dia: 1. Discussão e deliberação sobre proposta de reajuste salarial referente data base de 1º/05/2013.

ATENÇÃO!!! CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL – Discussão da proposta de reajuste salarial ano 2013 – Referência 1 a 13

MARCOS TABOSA, Presidente do Sindicato dos Servidores e Funcionários Municipais de Campo Grande – MS, usando das atribuições do cargo estabelecidas no estatuto social, CONVOCA os servidores efetivos e filiados, da referência 1 a 13, para uma Assembléia Geral Extraordinária que será realizada na sede do SISEM, localizado à Rua Otaviano de Souza nº. 58 – Bairro Monte Líbano, em Campo Grande/MS, no próximo dia 14.03.2013 (quinta-feira), às 18h30min em 1ª Convocação, e às 19h, em 2ª Convocação. A presente Assembléia Geral Extraordinária poderá ser encaminhada e deliberada observando o quórum estatutário, ou seja, a Assembléia instalar-se-á e funcionará, em primeira convocação, com a presença de 2/3 (dois terços) dos associados e, em segunda e última convocação, com qualquer número de associados presentes, a fim de deliberarem sobre o único assunto da ordem do dia: 1. Discussão e deliberação sobre proposta de reajuste salarial referente data base de 1º/05/2013.

Companheiros, é igual ano passado, se a gente não se mobilizar vamos sofrer as conseqüências.

CHEGA DE LEVAR FERRO. VAMOS REAGIR. VAMOS LUTAR POR NOSSOS DIREITOS.

NÃO FALTEM!

Sede do SISEM leva o nome de Davi da Silva

O companheiro Davi da Silva era funcionário licenciado da Secretaria Municipal de Administração – SEMAD. Há mais de vinte (20) anos militando no movimento sindical dos servidores municipais desta Capital foi fundador do SISEM e um dos principais cabos eleitorais da Chapa de Oposição a Diretoria de então, vindo a ocupar o cargo de Secretário Geral do SISEM e Vice-Presidente da Federação dos Servidores Públicos de MS.

Ao tomar posse como secretário geral, uma de suas primeiras medidas foi fazer um levantamento sobre a existência de área verde, em locais próximos ao centro da cidade, que pudesse ser doada pela municipalidade para a construção da sede própria do SISEM.

Localizada a área, próxima ao camelódromo, a Diretoria do SISEM levou a proposta ao conhecimento do então Secretário de Administração Jorge Oliveira Martins que demonstrou grande interesse em ajudar esta entidade sindical a conquistar um imóvel para a construção de sua sede própria.

Infelizmente dois tristes fatos aconteceram, logo a seguir: a saída do economista Jorge Martins da SEMAD e o prematuro falecimento de Davi da Silva que havia sido designado pela Diretoria do SISEM para tratar da doação da área junto à administração municipal. Diante disso, tudo voltou à estaca zero.

Porém a diretoria executiva desta entidade não desistiu do seu objetivo que era também do simples Davi: tão logo recebeu o imposto sindical comprou um amplo imóvel localizado em área nobre da cidade, com toda infraestrutura para atender os servidores municipais em suas reivindicações e lutas por melhores salários e condições de trabalho.

Assim, em uma reunião da Diretoria se chegou ao consenso que a sede própria do SISEM deveria levar o nome de Davi da Silva pela conquista do sonho que sempre acalentou e em reconhecimento a sua luta em favor da valorização dos servidores municipais, principalmente daqueles mais humildes.

Levada a proposta à deliberação de uma assembleia geral, seu nome foi aprovado pela unanimidade dos servidores municipais presentes, culminando com o descerramento da placa em sua homenagem no dia 19 de agosto do mês findo, data de inauguração da nossa sede própria, pelas mãos daqueles que foram seus entes mais queridos: a esposa Eliane Rocha Martins da Silva e os filhos Marcos e Marcelo.

Foi reconhecida, assim, na esteira do emocionado ato da homenagem, a importância impar da atuação do companheiro Davi, em sua trajetória no movimento sindical, cujo nome cravado em lugar nobre da sede do SISEM, imortalizará sua historia.